| info@opais.net
Muito nublado
Luanda
Clique para aceder á Revista
RSS

O último conselho a Dos Santos em 2011

O processo eleitoral estará na mesa de trabalhos como dos assuntos mais importantes a tratar, quando o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, reunir os seus conselheiros em mais uma sessão de trabalhos a ter lugar no próximo dia 16 do corrente, apurou O PAÍS de uma fonte bem colocada na direcção de um partido político.

Embora a agenda contenha outros pontos, é sobre o processo eleitoral que recai a maior importância, pois o Chefe de Estado vai aconselhar-se junto das individualidades que tomam assento naquele foro consultivo do Presidente da República, que, em princípio, deverá contar já com o pacote eleitoral aprovado pela Assembleia Nacional.

Segundo a fonte deste jornal, por força deste timming, 16 de Dezembro, os trabalhos na comissão de especialidade do parlamento conheceram outra vitalidade, pois “temos a obrigação de aprovar este pacote entre os dias oito e nove”, revelou a fonte de O PAÍS.

Há a assinalar, por outro lado, e para concretizar este desejo num facto, a troca de Virgílio de Fontes Pereira por Higino Carneiro, na direcção da bancada do MPLA, a quem o Presidente da República terá dado orientações expressas para que fossem sanadas todas as divergências e o pacote eleitoral fosse aprovado a tempo de ir ao Conselho da República. Tido pela fonte deste jornal como alguém paciente e com grande capacidade de compreensão das posições alheias, Higino Carneiro é, no entanto, descrito como exigente e recorre amiúde aos exemplos da sua carreira militar quando se trata de convencer e contrapor os argumentos.

UNITA propôs fim do registo eleitoral?

Segundo a fonte, foi registada uma alteração na assessoria jurídica aos deputados da UNITA que dispensou Cornélio Caley para contar com o empenho da igualmente jurista Mihaela Webba.

Segundo a fonte deste jornal, a partir desta altura o maior partido na oposição foi introduzindo novas propostas entre as quais a fonte sublinha o facto de a UNITA ter proposto o termo do registo eleitoral actualmente em curso.

Esta intervenção não foi bem acolhida durante os debates, mesmo porque apenas pouco mais de 50 por cento dos eleitores que votaram em 2008 foram cadastrados, e até à data do pleito haverá pessoas com capacidade eleitoral activa a não desprezar.

Acrescentou que foi igualmente da autoria deste partido a proposta que não acolhe o registo dos angolanos nas missões diplomáticas no exterior do país, logo o impedimento de votar por parte dos cidadãos nacionais a viverem na diáspora em 2012.

Numa das tiradas que a fonte de O PAÍS rotula de incompreensível, a UNITA e a FNLA chumbaram a proposta de financiamento dos partidos políticos angolanos por intermédio de congéneres a partir do exterior, alegadamente porque “o MPLA vai apoiar as eleições no Zimbabwe”, precisou.

Polémica quase sanada

Alguns parlamentares chegaram à conclusão que foi, afinal, extemporânea toda a celeuma levantada sobre a alegada independência dos integrantes da Comissão Nacional Independente quanto à proveniência política, porque, segundo argumentou a fonte, “não é possível ter na CNE alguém totalmente independente de um partido político, porque eu posso exonerar alguém das funções no partido e de seguida propôlo a integrar a CNE, ficando desde já comprometida essa suposta independência”. A fonte fez este reparo à posição do partido no poder que descarta a possibilidade de responsáveis partidários integrarem a CNE Independente, o que na verdade a fonte considera ser impraticável pelas razões acima aduzidas.

Adiar as eleições…nem pensar

Chegaram ao conhecimento deste jornal informações que apontam o PRS e a UNITA como mentores da ideia de postergação das eleições gerais por mais um ano.

Como resulta natural, esta proposta não acolheu a simpatia do MPLA, a despeito de andar a correr contra o tempo pelo grande número de obras por executar, em resposta às promessas eleitorais de 2008.

“O MPLA argumentou que assumiu um compromisso com os eleitores e a comunidade internacional e, por isso, não embarcou na conversa”, disse a fonte de O PAÍS.

Na verdade, desde que o momento político conheceu temperaturas escaldantes, sazonalmente o partido no poder foi acusando a Oposição de não estar preparada, de uma maneira geral, para a ida às eleições no próximo ano.

O quadro dos partidos políticos

Na Oposição o sinal mais evidente de soluços foi dado precisamente pela UNITA que teve de se submeter a um pequeno burburinho interno para realizar o seu congresso ordinário.

Sinais sintomáticos desta pretensão, segundo observadores do processo político angolano, são evidentes nas alegadas ameaças de irromper com manifestações pelo país adentro caso não haja consenso em relação à composição e atribuições Comissão Nacional Eleitoral Independente nos termos da Constituição.

Eugénio Mateus
14 - 12 -2011
 
5
 

Comentários

  1. Tchugo
    2011-12-23 10:16:57
    mensagem qui fala bem do ze gatuno passam como do malanjino ! por favor Deus olhe por esta angola por
  2. Malanjino
    2011-12-18 23:18:43
    Muito poucos conhecem a vida árdua do nosso Chefe. JES, frequentou a escola primária em Luanda e fez o ensino secundário no Liceu Salvador Correia, iniciando a sua actividade política nos anos 50, fazendo parte do MPLA em cinquenta e oito. em fevereiro de 61, José Eduardo dos Santos abandonou Angola e passou a coordenar no exílio, a actividade da Juventude do MPLA; licenciado em Engenharia de petróleos em 69 ainda na antiga URSS, frequentou um curso militar de telecomunicações, que o deixou habilitado para exercer de setenta a setenta e quatro, as funções nos Serviços de telecomunicações em Cabinda. De setenta e quatro a setenta e cinco, José Eduardo dos Santos voltou a desempenhar a função de representante do MPLA em Brazzaville. No ano de setenta e quatro, numa reunião realizada no Moxico, foi eleito membro do comité central e do Bureau político do MPLA. Em setenta e cinco, passou a coordenar o departamento de Relações Exteriores do MPLA e também o Departamento de saúde do nosso partido e no mesmo ano, foi nomeado Ministro das relações exteriores e a nível partidário, no período de setenta e sete a setenta e nove, foi secretário do Comité Central do MPLA. Com a morte do doutor Agostinho Neto que foi o primeiro presidente genuíno de Angola, José Eduardo dos Santos, foi eleito presidente da república em setenta e nove e no dia seguinte ao cargo, assumiu os cargos de presidente do MPLA e até aos dias de hoje O "JES", vem dando a sua vida pelo povo angolano. Qualquer angolano genuíno como eu, sente orgulho de termos no poder, um chefe da nação como o Doutor JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS. Outras eleições virão, mas enquanto o "JES" quiser, o poder será dele e ninguém o substituirá à altura de um chefe da nação como ele tem mostrado não só para nós, mas para o mundo inteiro inclusive ao mundo dos brancos. CHEFE, o povo angolano não te abandonará, palavra de escuteiro, do MALANJINO.
  3. Malanjino
    2011-12-18 23:17:53
    Muito poucos conhecem a vida árdua do nosso Chefe. JES, frequentou a escola primária em Luanda e fez o ensino secundário no Liceu Salvador Correia, iniciando a sua actividade política nos anos 50, fazendo parte do MPLA em cinquenta e oito. em fevereiro de 61, José Eduardo dos Santos abandonou Angola e passou a coordenar no exílio, a actividade da Juventude do MPLA; licenciado em Engenharia de petróleos em 69 ainda na antiga URSS, frequentou um curso militar de telecomunicações, que o deixou habilitado para exercer de setenta a setenta e quatro, as funções nos Serviços de telecomunicações em Cabinda. De setenta e quatro a setenta e cinco, José Eduardo dos Santos voltou a desempenhar a função de representante do MPLA em Brazzaville. No ano de setenta e quatro, numa reunião realizada no Moxico, foi eleito membro do comité central e do Bureau político do MPLA. Em setenta e cinco, passou a coordenar o departamento de Relações Exteriores do MPLA e também o Departamento de saúde do nosso partido e no mesmo ano, foi nomeado Ministro das relações exteriores e a nível partidário, no período de setenta e sete a setenta e nove, foi secretário do Comité Central do MPLA. Com a morte do doutor Agostinho Neto que foi o primeiro presidente genuíno de Angola, José Eduardo dos Santos, foi eleito presidente da república em setenta e nove e no dia seguinte ao cargo, assumiu os cargos de presidente do MPLA e até aos dias de hoje O "JES", vem dando a sua vida pelo povo angolano. Qualquer angolano genuíno como eu, sente orgulho de termos no poder, um chefe da nação como o Doutor JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS. Outras eleições virão, mas enquanto o "JES" quiser, o poder será dele e ninguém o substituirá à altura de um chefe da nação como ele tem mostrado não só para nós, mas para o mundo inteiro inclusive ao mundo dos brancos. CHEFE, o povo angolano não te abandonará, palavra de escuteiro, do MALANJINO.
  4. Huhiy
    2011-12-18 16:28:58
    O presidente José Eduardo deve: 1º Anunciar a sua saída. 2º Deixar os camaradas do CC do partido votarem num dos candidatos livremente declarados. 3º Que haja campanha e debates entre os candidatos(ainda q à portas fechadas). 4º Que o JES presidente cessante não interfira na escolha (neutralidade). 5º Que os candidatos sejam apenas os membros do B.P. ESTE É O MELHOR MAPA DO CAMINHO PARA O NOSSO PR NÃO SAIR DA PIOR FORMA. Os q bajulam amanhã serão os primeiros a saltar do barco, é só ver aqueles q bajulavam a volta do Savimbi (...)! O MPLA ainda transmite confiança aos angolanos e não pode ficar alheios aos anseios mais liberdade, democracia e evolução
  5. André
    2011-12-16 12:20:07
    Pedimos a Administração Municipal de Cacuaco,Ao Comité Municipal do Partido de Cacuaco e a Repartição Fiscal de Cacuaco, para advertirem o Senhor Amilton, Arquitecto e Tecnico de Administração Municipal que está vender as rotundas, ruas e zonas verdes, da nova urbanização Sector 3, por de traz do Instituto Superior Kanganjo de Angola, quarteirões nº.32;33;34 e 35 respectivamente.Pedimos a solução rápida e impedir as acções de desordem que o mesmo está perpectuar, infrigindo assim o programa do Governo de Urbanização daquela zona, consequentemente a criação de Becos, que são refugios de marginais.
Nome

E-Mail

Comentário


Enviar Comentário
 
 

Newsletter



Subscreva tambem a newsletter da Exame

Capas da edição nº 281

 
 
 
Assine OPaís Online