| info@opais.net
Aguaceiros
Luanda
Clique para aceder á Revista
RSS

Abraão Gourgel

Pequenas e médias empresas contribuem com apenas com 5% para o imposto industrial

‘As Micro, Pequenas e Médias Empresas continuam a ter uma importância reduzida no tecido empresarial angolano formal ao contribuírem com apenas 5% para o imposto industrial arrecadado. O modelo de empreendedorismo nacional, aliás, além de ser ainda muito informal é também assente em actividades de importação com baixa incorporação nacional’, disse o ministro da Economia Abraão Gourgel ao intervir na cerimónia de abertura da Conferência e Feira do Empreendedorismo, evento realizado no âmbito do programa Angola Investe e que foi uma iniciativa do seu pelouro em parceria com o Instituto Nacional de Apoio a Micro, Pequenas e Médias Empresas (INAPEM) e do Instituto do Fomento Empresarial (IFE).

 ‘Todos sabemos que a economia angolana tem verificado um excelente desempenho macroeconómico nos últimos anos, isso e demonstrado por uma taxa média de crescimento de anual real do PIB de 8,9% entre 2006 e 2011, acima de outras economias em desenvolvimento e mesmo das principais economias emergentes como e o caso do Brasil ou da China. No entanto, Angola mantém uma elevada dependência do sector petrolífero e da actividade de importação, com um sector produtivo nacional a manter uma baixa capacidade de satisfazer as necessidades de consumo interno’, destacou Abraão Gourgel.

Face a este baixo desempenho, referiu o ministro da Economia, ‘o poder executivo angolano propõe-se fomentar no nosso pais uma cultura de empreendedorismo almejando ultrapassar os principais constrangimentos que enfermam actualmente os empreendedores nacionais e em particular os empreendedores nas micro, pequenas e medias empresas tais com: as dificuldades no acesso ao crédito por parte dos empresários angolanos devido a baixa capitalização das suas empresas em geral associada a fortes exigências de garantias que os empreendedores não conseguem satisfazer e que resultam em custo de financiamento e encargos elevados favorecendo assim actividades transacionais face a investimentos de medio e longo prazo’.

O ministro chamou igualmente a atenção para a falta de recursos qualificados na população capazes de gerar dinamismo económico, efeito que se faz sentir na qualificação de empresários e empreendedores angolanos que desta forma não estão, de uma forma geral, preparados para uma transição de actividade comerciais para actividades de cariz agrícola, industriais ou de serviços produtivos num nível mais complexo e até estruturante.

Momento crucial

‘Angola, está num momento crucial da sua existência, o nosso crescimento é robusto, mas tem que ser rapidamente diversificado e isto tem de acontecer em sectores económicos com uma maior agregação de valor acrescentado nacional e que permita o surgimento de mais empresas em particular de micro, pequenas e médias empresas, o aumento significativo da produção doméstica, do emprego e das exportações dos produtos dos sectores não-petrolífero’, defendeu em Luanda, o ministro da Economia, Abraão Gourgel, referindo que ‘o nosso desafio é então, que cada um em particular os micro, pequenos e médios empreendedores possam usar o seu talento para multiplicar o nosso poder de actuação e juntos construirmos uma nação mais empreendedora e mais desenvolvida’.

 ‘Um empreendedor que esteja presente nesta feira tem ao seu dispor um consumo de instrumentos de suporte da sua ideia de negócio, poderá inscrever-se em cursos de formação do INAPEM, poderá certificar a sua empresa como micro, pequena ou média empresa no INAPEM, poderá falar com empresas de consultoria sobre as formas como vai desenvolver um plano de negócios ou elaborar um estudo de viabilidade e poderá ter acesso aos bancos aderentes ao programa Angola Investe para compreender como prova final concorrer para a obtenção de um crédito bonificado ou de garantias públicas de crédito’, acrescentou Abraão Gourgel.

 ‘A nossa expectativa é que, após estes dois dias de conferência, os prezados empreendedores e empresários participantes neste evento tenham uma visão mais ampla dos meios que o executivo esta a disponibilizar como o programa Angola Investe para desenvolver o estado actual do empreendedorismo da nossa nação e quiçá dar oportunidade ao surgimento e financiamento de novas ideias de negócio’, referiu o ministro da Economia.

‘Esta Conferência e Feira do Empreendedorismo tem precisamente o objectivo de aumentar a informação da comunidade de empreendedores e empresários e do público nacional relativa ao programa Angola Investe como foi bem dito pela minha antecessora e também por esta via tem o objectivo de criar um microcosmo onde os principais intervenientes os bancos, as entidades estatais e os empreendedores são colocados em contacto próximo para fomentar a aprendizagem, o aparecimento e a concretização de novas ideias no negócio’, sublinhou Abraão Gourgel, adiantando que ’os temas abordados nas conferências a realizar empregam a discussão do estado actual do empreendedorismo em Angola e das iniciativas do programa Angola Investe e de como estas estão a ser operacionalizadas para o beneficio das micro, pequenas e medias empresas e de toda a sociedade angolana’.

“ Paralelamente ocorre neste mesmo espaço a feira do empreendedor onde entidades como o INAPEM, o IFE e o Fundo de Garantia de Crédito e também vários bancos comerciais da nossa praça promovem as suas actividades de suporte ao empreendedorismo no âmbito do programa Angola Investe’, acrescentou.

Os temas da conferência

A Conferência e Feira do Empreendedorismo realizada pelo Ministério da Economia com o apoio do Instituto Nacional de Apoio às Pequenas e Médias Empresas (INAPEM) e Instituto do Fomento Empresarial (IFE), teve como pano de fundo a abordagem do acesso aos financiamentos/linhas de crédito bonificadas e as garantias públicas de crédito. Durante dois dias os participantes abordaram entre outros ‘As Iniciativas do Executivo angolano de apoio ao Empreendedorismo’, ‘Condições para a Evolução da Cultura Empreendedora em Angola’, ‘O papel que a cultura do Associativismo pode jogar no Empreendedorismo em Angola’,  ‘Como Atrair Financiamentos para o seu Negócio’, assim como ‘O Empreendedorismo no Ensino Secundário’.


Hermenegildo Tchipilica
29 - 11 -2012
 
0
 

Comentários

Nome

E-Mail

Comentário


Enviar Comentário
 
 

Newsletter



Subscreva tambem a newsletter da Exame

Capas da edição nº 281

 
 
 
Assine OPaís Online