| info@opais.net
Muito nublado
Luanda
Clique para aceder á Revista
RSS

Raízes

Usos e costumes dos Bantu de Angola

A palavra bantu foi introduzida na linguística por Bleeck em 1856 na sua gramática comparada das línguas africanas. Este termo tem sido definido como conjunto de pessoas que se serve da raiz NTU para designar o ser humano.

Associado ao prefixo do plural BA forma a palavra BANTU, ou pessoas. Segundo os dados anunciados pelo historiador Simão Souindoula, durante uma palestra subordinada ao tema “O Mundo Bantu “ que proferida em 1984 na União dos Escritores Angolanos, o mundo bantu é todo o sul de uma linha imaginária que parte de Douala (Camarões) até Mombasa (Quénia), ocupando um terço da superfície de África e 30% do peso demográfico africano. Os seus usos e costumes, a própria língua e a sua cultura em geral, suscitaram a criação do CICIBACentro Internacional de Civilizações Bantu, organismo encarregue de estudar, divulgar e valorizar a cultura dessa comunidade com sede em Libreville/Gabão.

Segundo o linguista alemão Meinhoff, existem entre 400 a 500 línguas bantu . Para Malcom Guthrie, os bantu estão divididos em 11 grupos, entre os quais o grupo Zulu, o grupo Kilimanjaro, o grupo Meridional e o grupo Ocidental “[1], este último onde está classificada a maioria dos bantu de Angola (Kikongo, Kimbundu, Lunda-Cokwe, Ngangela, Umbundu) e uma vaga de bantu meridionais (Helelo, Nyaneka Khumbi e Ovambo), constituíndo a maioria da população angolana.

É sobre os usos e costumes de alguns bantu de Angola (kikongo, kimbundu, côkwe, umbundu e ngangela) que pretendemos revisitar e rebuscar o conhecimento das realidades culturais tradicionais ou originárias para as novas gerações, que podem encontrar nelas fontes mananciais e inspiradoras para novas e modernas criações artísticas e culturais

Área Sócio Cultural Kongo

Dentro deste tronco, encontram-se vários subgrupos, nomeadamente os vata, soso, zombo, sorongo, yaka, kongo, pombo, suku, oyo, vile e yombe ocupando maioritariamente a zona norte entre o mar e o rio Kwangu, (concretamente as Províncias de Cabinda, Zaire e Uige); São agricultores em estação da chuva e afirmam-se com uma capacidade notável para a escultura, incluíndo o talhe de máscaras coloridas entre os Bayaka, seu subgrupo; hábeis na confecção da chamada as máscaras bakama ou indunga e a ndemba marcam a sua presença, não só para consagrar o acto, como também para servir como intermediários entre os viventes e o mundo dos espíritos ancestrais.

Algumas variantes Kikongo, mostram-se muito aptos para o negócio, como por exemplo os Zombo, os Oyo e os Solongo,onde as kitanda ou mercados constituem uma das principais actividades. Na organização social, toma evidência o Kanda ou clã muito ligado ao terreno agrário sob protecção dos antepassados, aos quais pertence, restando aos vivos o direito de usufruto do mesmo, apesar do princípio das terras clânicas apresentar sempre implicações de vária ordem como é o regime de concessão sob orientação dos Mfumu Ntoto (Donos ou Senhores das terras). À semelhança dos outros bantu, os bakongo primam pelo valor da família desde a nuclear à extensa, sendo a mulher um elemento fundamental na estrutura familiar.

Considerando um dos seus adágios “o casamento é negócio e os filhos são o lucro”, para os bakongo o casamento só pode ser consumado com a entrega completa do alembamento (compensação matrimonial em bens, dinheiro, serviço ou animais que a família do noivo oferece aos parentes da noiva) conhecido em kikongo como khamalongo. Na sua idiossincrasia, os casamentos civil e religioso são apenas formalidades e sem valor definitivo enquanto não se cumprir com as obrigações tradicionais.

Na entronização dos Mfumu (chefes tradicionais), realiza-se uma cerimónia de consagração e legitimação, na qual os espíritos dos antepassados são invocados. É o caso do ritual de Vela kya Soyo em que os anciãos cantam, dançam e aspergem o maruvu ou vinho de palmeira, da boca para a cercania do local da cerimónia.

Américo Kwononoka Director do Museu de Antropologia
21 - 8 -2009
 
8
 

Comentários

  1. Andressa
    2013-07-16 20:22:06
    nossa amei entendi tudinho oq ta escrito ali pq em alguns eram muito ruins e n gostava pq as imagens eram muito ruins essa é boa
  2. lill fine
    2012-10-13 15:39:14
    É UM PAIS EM RECONSTRUÇÃO, TUDO SE TORNA MUITO CARO, POIS TUDO VEM DE FORA (IMPORTAÇÃO) MAS DEPENDENDO DA AREA QUE VC VAI TRABALHAR A EMPRESA ATÉ CUSTEI SEUS GASTOS DE PRIMEIRAS NECESSIDADES. O ANGOLANO É UM POVO MUITO HOSPITALEIRO, MESMO COM TODO SOFRIMENTO DA GUERRA SÃO MUITO ALEGRES, GUERREIROS E ADORAM DANÇAR E CANTAR. UM PAIS COM MUITAS TRIBOS E DIALETOS. Luanda é uma cidade muito cheia, cuidados com os roubos e com troca de dinheiro na rua feitas pelas Kinguila, costumam ter a melhor cotação, mas te oferem alguns riscos. RESTAURANTES E HOTELARIAS são muito bons. PRAIA - No interior tem praias muito bonitas SAÚDE Os hospitais encontram-se debilitados a todos os níveis. Há, no momento um número considerável de clínicas particulares. Destaque para a Clinica Sagrada Esperaça na Ilha de Luanda. O CLIMA tem duas estações: das chuvas e a do cacimbo. A do cacimbo ou seca é menos quente e vai de Maio a Setembro. A das chuvas, mais quente, normalmente dura de Setembro à Abril PETROLEO Maior produção e a maior fonte de divisas. Indústria recente utlizando tecnologia de ponta, atinge elevados indices de rentabilidade. DIAMANTES encontram-se dos melhores diamantes-joia e a Luanda é uma das áreas dimatiferas mais importantes do mundo. PESCA De costa extensa, rica em crustaceos e pescado de variedades muito apreciadas. OBS. PRECISA DE VACINA DE FEBRE AMARELA E VISTO DE ENTRADA. BOM TRABALHO E TENHA UMA BOA EXPERIENCIA DE VIDA.
  3. Adilson Benjamim Chissapa Savite
    2012-08-06 14:26:54
    Estamos em presença de um grande trabalho de investigação, e apraz-me dizer que falar dos Bantu, é enraizar-se sobre a nossa origem, os nossos costumes e os nossos hábitos como africanos...dos povos Bantu, emana a nossa existência, o nosso passado...povos esses que ao longo dos tempos foram se deslocando de um lugar para o outro, foram criando reinos em vários locais transformano assim esta África num verdadeiro manancial de cultura sem igual..
  4. karen dos santos viana
    2012-05-10 13:05:24
    oi pessoal!
  5. Lola
    2010-12-03 16:35:19
    oi peessoal AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAADOREI *-
  6. amanda
    2010-06-10 18:27:39

  7. 2009-09-04 00:08:12
    tenho dado os primeiros passos em busca do saber e, tenho encontrado mtas dificuldades em relacao o tema em questao e fico supreso em encontrar aqui esse pequeno e util parecer que de uma forma ou outra ha de ajudar e mto .Compartilho com o Sr. Marcio sobre a maior divulgacao do tema
  8. marcio carvalho
    2009-08-24 18:55:08
    Acho o assunto relevante e muito pertinente,devia ser mais divulgado por todos cantos desta Angola,que pouco sabe sobre o assunto,mesmo assim obgado por divulagarem e partilharem esta informaçao muito importante,continuem assim que muito longa irao,Huambo
Nome

E-Mail

Comentário


Enviar Comentário
 
 

Newsletter



Subscreva tambem a newsletter da Exame

Capas da edição nº 281

 
 
 
Assine OPaís Online