| info@opais.net
Muito nublado
Luanda
Clique para aceder á Revista
RSS

Futuro

À espera do novo governo

Na expectativa do novo Governo mais enxuto, como prometeu o Presidente da República José Eduardo dos Santos, são muito poucas as informações acerca da sua composição.

Este jornal apurou que na verdade o executivo já estará formado a esta altura, aguardando apenas pelo momento certo para ser anunciado publicamente. Entre as fusões a serem efectuadas, é dada como certa a integração da Secretaria de Estado do Ensino Superior no Ministério da Educação.

A revelação deste dado foi feita durante a última reunião do senado da Universidade Agostinho Neto, por um quadro sénior com ligações estreitas ao partido no poder, que adiantou mesmo já estar concluída a composição do novo executivo.

Dada a importância da pasta ora assumida no secretariado do bureau político do MPLA, Gonçalves Muandumba deverá deixar o Ministério da Juventude e Desportos para se dedicar inteiramente à gestão da política de quadros do MPLA, em face à ocorrência e reconhecimento do fenómeno mukwakwiza assente na ostracização dos técnicos não oriundos das regiões em que trabalham, como reconheceu José Eduardo dos Santos durante o mais recente congresso do seu partido.

Para o lugar de Muandumba, chegou a informação a este jornal segundo a qual irá o actual ministro da Comunicação Social, Manuel Rabelais, este que será rendido por Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”.

Mudanças nas Forças Armadas Angolanas

As esperadas mudanças no executivo angolano anunciadas pelo Presidente da República José Eduardo dos Santos, depois de promulgada a Constituição aprovada no passado dia 21 do corrente, podem vir a ter reflexo também nas Forças Armadas Angolanas, onde são aguardadas mudanças na sua estrutura de comando superior, segundo fontes do jornal O PAÍS.

Está nas cogitações a saída do actual chefe do Estado Maior General, Francisco Pereira Furtado, Mas agora, a questão que se tem colocado com alguma frequência nos meios castrenses é de saber quem deverá substituí-lo.

Nas contas para a questão conta a juventude de alguns militares que compõem o generalato angolano como algo a contornar.

É neste quadro que fontes militares avançam o nome do antigo chefe do estado-Maior da Marinha de Guerra Angolana, almirante Gaspar dos Santos Rufino, a exercer as funções de vice-ministro da Defesa, volteando o nome do general Geraldo Nunda, actual chefe adjunto do estado Maior General das Forças Armadas Angolanas mas a sua condição de pertença às antigas forças militares da UNITA, FALA, é vista como o elemento pernicioso à sua ascenção no topo da hierarquia das Forças Armadas Angolanas.

Luanda passa a região militar

Enquanto alegadamente alegadamente se cogitam as alterações a operar na cadeia principal de comando das Forças Armadas Angolanas, fonte deste jornal garantiu que é certa a alteração do actual quadro da Guarnição Militar que a capital do país apresenta ainda na esteira da reorganização das Forças Armadas Angolanas, que passará a designar-se Região Militar.

A adopção desta estrutura vai implicar a alterações no quadro da estrutura orgânica do Regimento da Polícia Militar do Estado Maior General das Forças Armadas Angolanas.

Segundo fonte de O PAÍS, o comandante desta unidade, tenente-general Rui Apache, deverá comandar a Região Militar de Luanda e, por esta razão, deverá ascender ao grau militar de general de três estrelas, sendo coadjuvado pelo actual brigadeiro Hipólito que deverá ser promovido ao grau de tenente-general.

No Regimento da Polícia Militar também vão ocorrer mudanças na sua estrutura de comando com a provável saída do tenente-general Apache.

Fontes deste jornal avançam o nome do brigadeiro Sansão para ocupar o lugar deixado por aquele.

29 - 1 -2010
 
1
 

Comentários

  1. Francisco Estanislau
    2014-01-02 22:49:36
    Não percebe quem e o factual chefe das forças armada continua o
Nome

E-Mail

Comentário


Enviar Comentário
 
 

Newsletter



Subscreva tambem a newsletter da Exame

Capas da edição nº 281

 
 
 
Assine OPaís Online